MorteVida

OS MANACÁS DA SERRA E OS CICLOS DA VIDA

Por 4 de agosto de 2014 18 Comments

No dia 01 de agosto foi o velório e o enterro do meu sogro Lourenço Moreno Carrenho, que era o representante mais idoso dos Carrenhos. Tinha 98 anos. Um homem que por  toda a vida viveu coerente com seus valores e princípios. Era disciplinado na alimentação, dormia o suficiente todos os dias e sempre cumpriu seus deveres para com o trabalho e para com os credores.

Tinha um sobrenome forte. A começar por mim, meu sobrenome foi engolido pelo Carrenho. Passei a ser Esther Carrenho e quase ninguém sabe que antes do Carrenho eu era “Gomes de Lima”. Ainda sou. Mas só quando vou exames laboratoriais é que a atendente chama: “Esther Gomes”. Eu só ouço na segunda vez, porque na primeira me soa estranho e até o meu cérebro processar que sou eu mesma , já sou chamada a segunda vez.

Fiquei triste com a morte do meu sogro, mesmo reconhecendo que ele viveu bem seus 98 anos. Além de triste, mais uma vez fiquei reflexiva sobre o que é a vida. E duas coisas me chamaram muito a atenção:  A presença de sete bisnetos e um pé de manacá. O da foto.

Quando percebi os bisnetos lembrei do outono quando muitas espécies de arvores derrubam suas folhas amareladas e enfraquecidas e em seguida começam a surgir novas folhinhas de um verde bem claro mas cheias de brilho e viço. Enfim, o que envelheceu se vai para que os novos surjam!

Quando vi o pé de manacá-da-serra, que tem o nome científico de(Tibouchina mutabilis), pensei sobre os ciclos da vida. Aprecio muito os manacás, tanto quanto as cerejeiras e os ipês. Mas os manacás me instigavam pela variedade e tonalidade de cores de suas flores: brancas, rosas claro, rosas escuro e lilás. Um dia lendo uma reflexão do Alex Rocha, um colega, tudo se esclareceu para mim. Quando as flores nascem no pé de manacá elas são brancas, depois de algum tempo elas se tornam rosas e quando estão envelhecidas ficam todas lilás. É o ciclo da vida: infância, juventude e velhice.

Fiquei por alguns minutos vendo este manacá que florescia bem do lado direito da entrada  do velório. Observei a convivência das flores de várias tonalidades e vi naquele momento a família da qual eu faço parte representada. Lá dentro estavam os Carrenhos com crianças, jovens e adultos. Alguns já envelhecidos anunciando que podem “cair” a qualquer hora como a flor lilás do manacá.

A presença dos bisnetos, sendo que três deles são meus netos, e o pé de manacá consolou meu coração dolorido naquele dia.Manacás flor

Bem aventurados os olhos que veem!

18 Comments

  • Betânia Freitas disse:

    Que texto profundo e reflexivo! Também me fez pensar…Deus é tão bondoso conosco que encontra formas de nos consolar em todos os momentos, até mesmo através das flores… Meu desejo maior é que todas as outras “flores Carrenhos” vivam tanto e tão bem quanto o seu Loureço viveu. E demorem muitos e muitos anos para cair. Me lembro das visitas que fazíamos à eles aos domingos, no tempo no qual morei com vocês…a vó que nem minha era me recebeu de braços abertos e me disse “vou orar por você para que Deus te dê um bom casamento, um homem honesto, trabalhador…” . E como esquecer o brigadeirão? Nunca a esqueci!!! E me encho de saudade quando lembro dela. E por ter sido criada por minha vó materna até os 9 anos eu sempre gostei dos velhinhos…ficava ouvindo as histórias do seu Lourenço com interesse. Amo muito vocês! Um abraço apertado, Betânia

  • Sizue Hayashi Namba disse:

    Amei o seu texto, sua reflexão, sua sacada de “manacás”. Estou ficando roxinha, e acredite, estou mais feliz que nunca. Gostaria de compartilhá-lo no Cada Dia com Deus.

  • Sonia disse:

    Mulher de Deus! Nunca esquecerei de suas sábias palavras! Como era gostoso participar de seus estudos , saudades!Bj.

  • Sônia disse:

    Muito lindo,Esther!Como vc! Bjus

  • Sônia Rodrigues Miranda disse:

    Muito bom .. Deus mais uma vez usando suas flores … Éster, manacás, pra falar docemente conosco!!

    • Sônia

      Acho que os anos vão passando, a gene diminui o passo e começa a enxergar melhor! tenho aprendido muito com as plantas e flores. E a azaléia que floresce na adversidade. Não é demais?
      Beijo.
      esther

  • Fabiana disse:

    O interessante desta reflexão é que , independente da fase em que nos encontramos, Deus sempre nos concede uma beleza que é única, interior, divina. Cabe a nós desfrutarmos de cada etapa da vida com sabedoria, intensidade e submissão ao nosso Criador, deixando marcas, valores e exemplos corretos aqueles que estarão em seu pleno vigor quando nós, lindas flores brancas cairmos…..
    Que Deus console vc e sua família.
    Grande abraço,
    Fabiana Quiles de Almeida

  • Que lindo texto minha amada! você como sempre tão sensível e com esta capacidade de extrair beleza até dos momentos de tristeza…Que Deus continue te usando para tocar corações…bjo grande

  • Eliel Moreno Carrenho. disse:

    A reflexão trazida pela Esther no texto ” Manacás da Serra”, trouxe conforto e consolo ao meu coração, no momento de partida do meu saudoso pai. Sou uma flor de manacá lilás, ainda com vigor, mas já sentindo que as flores mais jovens pedem passagem. Só me resta ajudá-los na caminhada e deixá-los seguir em frente. Beijos a vc. Esther.

  • Fábio Araujo disse:

    Belo texto!! Abençoou meu dia! Não pare de escrever! Abraço

Deixe seu comentário